“Vamos respeitar muito o trabalho feito pelos jogadores e mudar pouco a pouco. Não vamos ser como um elefante entrando em um quarto pequeno”. O discurso da primeira entrevista coletiva não foi colocado em prática, e Domènec Torrent viu o elefante implodir na derrota por 3 a 0 para o Atlético-GO o futebol que o torcedor se acostumou a ver no Flamengo.

A vitória do time recém-promovido à Série A sobre o melhor campeão da história dos pontos corridos não foi obra do acaso. O Atlético-GO atropelou o Flamengo desde o primeiro minuto e não é exagero dizer que o placar ficou barato. Para justificar a escolha por Gustavo Henrique e Vitinho nos lugares de Rafinha e Arrascaeta, Dome disse que não mudou tanto no esquema tático de Jorge Jesus. Falou em 4-3-3, 4-2-3-1 e outros números, mas esqueceu de contar a quantidade de jogadores que mudou de posição.

Rodrigo Caio na lateral direita, Vitinho e Bruno Henrique abertos nas pontas com um Gabigol isolado no meio, Everton Ribeiro centralizado e a dupla Arão e Gerson sem a sincronia habitual. Os primeiros 45 minutos da noite de quarta-feira no estádio Olímpico de Goiânia foram um desastre total. O Atlético-GO sequer fez muita força para finalizar oito vezes, marcar três gols (um anulado pelo VAR) e praticamente sequer sofrer sustos contra um Flamengo que corria e marcava errado.

Não demorou muito para Vagner Mancini perceber o latifúndio no lado direito da defesa carioca e forçar o jogo por ali. Aos 30 minutos, o 2 a 0 no placar representavam menos de 50% de eficiência nas oportunidades criadas pelo Dragão diante de um Rodrigo Caio exposto e extenuado na tentativa de resolver os problemas defensivos. Por mais que seja quem mais apareça nos lance mais perigosos, ele esteve longe de ser o zagueiro a ter a pior atuação.

Fora de posição, Rodrigo corria de um lado para o outro não somente para defender como lateral, mas também para fechar buracos de Gustavo Henrique e Léo Pereira, que se aproximam de setembro longe de curar a saudade do torcedor por Pablo Marí.

Ofensivamente, o Flamengo envolvente e móvel não existiu. Ribeiro, Vitinho, Bruno Henrique e Gabriel lotearam pedaços de campo e pareciam precisar de um telefone celular para se comunicar tamanho distanciamento. Enfim, 45 minutos desastrosos do Flamengo.

A troca de posicionamento da reta final do primeiro tempo surtiu efeito com a mudança de peças na volta do intervalo. Rafinha e Pedro substituíram Gustavo Henrique e Vitinho, e o Flamengo se aproximou de sua “realidade” recente. Com posse de bola e presença no campo ofensivo, criou oportunidades, mas Gabigol não vivia boa noite e acumulou pela primeira vez no clube o sexto jogo sem ir às redes.

A melhora significava também uma maior exposição defensiva (se é que era possível após o péssimo primeiro tempo). E o Atlético-GO passou a jogar com inteligência. Até que Gustavo Ferrareis gingou na frente de Rodrigo Caio e acertou o ângulo de Diego Alves para sepultar qualquer chance de reação.

Do “pouco a pouco” até as muitas mudanças de peças e, principalmente, de posicionamento, o Flamengo precisou de apenas duas partidas para viver com Domènec uma realidade que não estava acostumado. A última vez que o time perdeu duas partidas consecutivas foi em setembro de 2018, para Ceará, no Maracanã, e Inter, no Beira-Rio.

Retirado de: Globo Esporte

13 COMENTÁRIOS

  1. 116548 19519Immer etliche Firmen bentzen heutzutage Interimmanagement als innovatives und ergnzendes Gertschaft i. Spanne der Unternehmensfhrung. Denn hiermit wird Kenntnisstand leistungsfhig, bedarfsgerecht und schnell ins Unternehmen geholt. 926853

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui